Rua do Destino

 

Autor:João Amaral Júnior  [Lisboa, 1899 - ?]

Título: Rua do Destino - edição especial

Editor: Editorial Cultura. Porto

Ano: 1944 (?)

Capa: s/d

Preço: €25,00

DESCRIÇÃO: Edição Especial, numerada e assinada pelo autor.Possui uma assinatura de posse. exemplar em bom estado geral.

Nota retirada da página electrónica da Romano Torres:  "João dos Santos Amaral Júnior

(Lisboa, 1899 – ?)

Tal como Guedes do Amorim e Rocha Martins [1], não concluiu qualquer curso superior, sendo exemplo de mais um autodidacta de sucesso que colaborou com a Romano Torres.

Estreou-se antes dos 20 anos com o romance A ladra (1920), seguindo-se em 1923 novo romance intitulado Direito de viver com prefácio de Manuel Ribeiro. O Dicionário universal de literatura atribui ao bom acolhimento que teve destas primeiras obras o impulso que o levou a dedicar-se exclusivamente à literatura.

Embora não tivesse sido jornalista, colaborou enquanto crítico literário com o jornal A República e dirigiu o quinzenário Novidades Literárias.

Curiosamente, o Dicionário universal de literatura aponta o seu pseudónimo George Lody como sendo autor da «tradução livre» de alguns escritores estrangeiros, indicando como exemplos disso mesmo as obras Legião maldita, Rússia negra, Sentinelas dos mares, Braseiro ardente, Soldado da sombra Espiões da paz. Há clara confusão, visto que é o próprio João Amaral Júnior que se apresenta como tradutor de um alegado autor francês de nome George Lody, afinal seu pseudónimo. Este caso foi desconstruído por Maria de Lin Sousa Moniz no seu ensaio [2]. No entanto, o verbete do Dicionário universal de literatura, publicado em 1940, serve de exemplo para a confusão que à época havia relativamente à pseudotradução (Amaral Júnior não foi o único na Romano Torres, veja-se os casos de Guedes de Amorim e José Rosado).

A colaboração de Amaral Júnior na Romano Torres foi intensa, quer como autor, quer como tradutor. Para além de ter escrito os seis romances já referidos sob o pseudónimo de George Lody, que constituíram a colecção «Dramas de espionagem: as aventuras dos mais célebres espiões internacionais», escreveu também sob o pseudónimo de Fernando Ralph o livro O golpe alemão (1936), e no seu próprio nome Minha mulher vai casar (s.d.), O nosso amor não é pecado (s.d.), A mulher que jurou não ser minha (1936), etc.

Enquanto tradutor, dedicou-se especialmente a Max du Veuzit e Claude Jauniére.

Não se conseguiu apurar a data ou o local da sua morte.

Afonso Reis Cabral
6-12-2013"

Mensagens populares deste blogue

A Mocidade de D. João V - 2 volumes

Hespanha e Portugal e suas affinidades

Visão dos Tempos